No último dia da janela partidária, o indeciso Lindolfo Pires acabou escolhendo o Progressistas como legenda para a disputa por uma vaga na Assembleia Legislativa. O movimento sinaliza para uma composição do deputado Aguinaldo Ribeiro (Progressistas) com a chapa governista para as eleições deste ano.

Ao Conversa Política, o deputado disse que ele havia estabelecido para escolha que o partido vote no governador João Azevêdo (PSB) em outubro. A legenda em que estava filiado, o Podemos, não deu essa garantia. Foi ao evento do Progressistas para ter o termômetro do destino político da sigla e ontem tomou a decisão.

Fato é que toda a semana de definições de troca-troca de legenda entre os parlamentares foi cercado também pela guerra de narrativas trocadas entre Aguinaldo e João Azevêdo. Havia a expectativa sobre a formalização da dobradinha João governo e Aguinaldo Senado, o que não foi cravado.

O governador em diversos eventos públicos manifestou o desejo de ter o Progressistas em sua chapa majoritária, como candidato ao Senado.

Aguinaldo, por sua vez, publicamente tem cobrado união do grupo. Deixou claro que só enfrenta a empreitada se tiver a segurança de que terá os votos de todos os apoiadores do governador. Nesse ‘balaio’, o principal embaraço são as lideranças do Republicanos, que estão fechados com a pré-candidatura do deputado Efraim Filho (União Brasil) ao Senado.

João Azevêdo, ontem, disse ao Conversa Política, que na próxima semana anuncia a decisão sobre quem estará com ele na vaga ao Senado. Admitiu que as conversas com Aguinaldo estão bem avançadas, apesar das declarações públicas da senadora Daniella Ribeiro, agora presidente do PSD, de que “não é governo”.

 

  • JORNAL DA PARAÍBA