A Câmara Municipal de Araraquara, interior de São Paulo, aprovou em primeiro turno, nesta terça-feira, dia 24, O projeto de lei – PLC 3/2022 – que institui um preço público (uma espécie de cobrança) anual do túmulo da sua família, foi aprovado pela câmara dos vereadores de Araraquara.

Os valores praticados pela prefeitura podem variar entre R$ 40 e R$ 400.

Lá, o assunto ficou conhecido como “IPTU dos Mortos”, rendeu discussão na sessão semanal. Além de regulamentar a situação do cemitério São Bento, a proposta apresenta preços públicos para manutenção e uso do espaço.

A maioria dos votos são de vereadores que ficaram a favor da administração do prefeito Edinho Silva do PT (Partido dos Trabalhadores) Edson Hel (Cidadania), Emanoel Sponton (Progressistas), Fabi Virgílio (PT), Filipa Brunelli (PT), Guilherme Bianco (PC do B), Hugo Adorno (Republicanos), Luna Meyer (PDT), Marcos Garrido (Patriota), Paulo Landim (PT) e Thainara Faria (PT).

Os contrários foram: Carlão do Joia (Patriota), Gerson da Farmácia (MDB), João Clemente (PSDB), Lineu Carlos de Assis (Podemos), Lucas Grecco (União Brasil), Marchese da Rádio (Patriota) e Rafael de Angeli (PSDB).

Com o aval recebido, o assunto retorna à pauta dos vereadores na próxima sessão, prevista para acontecer na terça-feira, dia 31 de maio.

O projeto é de autoria do prefeito de Araraquara, Edson Silva, e ficou popularmente conhecido na cidade como “IPTU dos mortos”.

Caso não seja pago, haverá o fim na concessão do túmulo, com a retirada dos enterrados e destinado a um ossuário.

 

 

 

Veja o Vídeo

  • Folha da Política