Oseney da Costa de Oliveira, de 41 anos, conhecido como “Dos Santos”, foi preso temporariamente nesta terça-feira (14), suspeito de participação no desaparecimento do indigenista Bruno Araújo Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips. Ele é irmão de Amarildo da Costa de Oliveira, conhecido como “Pelado”, que já estava preso no município de Atalaia do Norte.

Oseney vai ser interrogado e encaminhado para uma audiência de custódia na Justiça de Atalaia do Norte, segundo a PF.

Até esta terça-feira (14), nove pessoas foram ouvidas pela polícia. Entre elas, a mulher de Amarildo, cujo primeiro nome é Josenete. Ela prestou depoimento na última sexta-feira (10) em companhia de um advogado e preferiu não falar sobre a prisão do marido nem sobre o caso dos desaparecidos.

Amarildo foi preso na terça-feira (7), mas por outro motivo: durante as buscas em sua casa, a Polícia Militar do Amazonas (PM-AM) encontrou uma porção de droga, além de munição de uso restrito das Forças Armadas.

Os dois desapareceram no dia 5 de junho quando navegavam pela Terra Indígena Vale Javari, no oeste do Amazonas.

O desaparecimento

Bruno e Phillips foram vistos pela última vez quando chegaram na comunidade São Rafael por volta das 6h do dia 5 de junho, onde conversaram com a esposa do líder comunitário apelidado de Churrasco. De lá, eles partiram rumo a Atalaia do Norte, viagem que dura aproximadamente duas horas, mas não chegaram ao destino.

“Os dois se deslocaram com o objetivo de visitar a equipe de Vigilância Indígena que se encontra próxima à localidade chamada Lago do Jaburu (próxima da Base de Vigilância da FUNAI no rio Ituí), para que o jornalista visitasse o local e fizesse algumas entrevistas com os indígenas”, diz o texto da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja).

Eles viajavam com uma embarcação nova, de 40 cavalos, e 70 litros de gasolina, o suficiente para a viagem.

Objetos encontrados

Imagens divulgadas pela Polícia Federal mostram os objetos encontrados na área de buscas por Dom Phillips e Bruno Araújo Pereira, no interior do Amazonas.

Foram localizados uma mochila, um notebook, camisas, bermudas, calça, chinelos e botas na área onde são feitas as buscas.

Polêmica sobre localização de corpos

Na segunda-feira (13), Paul Sherwood, cunhado de Dom Phillips, informou que dois corpos haviam sido encontrados e que a informação foi repassada à família por um representante da embaixada brasileira no Reino Unido.

Mas a PF e associação indígena que denunciou os desaparecimentos negaram a informação de que os corpos dos dois foram localizados.

Nesta terça, Paul Sherwood recontou em post no Twitter que aconteceu. Ele confirmou que a notícia sobre a descoberta de corpos na Amazônia foi repassada por Roberto Doring, representante da embaixada brasileira no Reino Unido. Veja o post abaixo, que contou com apoio de irmãos, irmãs e sobrinhos do jornalista desaparecido.

Buscas

A procura pelos dois teve início no próprio domingo por integrantes da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja). Como não conseguiram localizá-los, alertaram as autoridades sobre o sumiço na segunda-feira.

As buscas ao indigenista e ao jornalista reúnem o Exército, a Marinha, a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) e a Polícia Federal. O Exército atua desde a tarde de segunda, na região do Vale do Javari, com combatentes de selva da 16º Brigada de Infantaria de Selva, sediada em Tefé (AM).

A equipe conta com, aproximadamente, 250 homens, com militares especialistas em operações em ambiente de selva que conhecem o terreno onde acontecem as buscas. Duas aeronaves, três drones e 20 viaturas foram deslocadas ao município para prestar apoio às investigações.

 

  • ClickPB