Petrobras reajusta em 12% o preço da gasolina nas refinarias a partir desta quinta-feira

Estatal anunciou aumento nos preços de venda dos combustíveis para as distribuidoras a partir de amanhã

A Petrobras anunciou, nesta 6ª feira (17.jun.2022), um reajuste nos preços do diesel e da gasolina. O valor da gasolina passará de R$ 3,86 para R$ 4,06 por litro. Já o do diesel passará de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro. Os preços do GLP (gás liquefeito de petróleo) não serão alterados.

O aumento percentual da gasolina foi de 5,18%. Já do diesel foi de 14,26%. Os novos valores passam a valer no sábado (18.jun.2022) para a venda para as distribuidoras, segundo a estatal.

A empresa afirma que como a gasolina vendida em postos precisa ter uma mistura de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro, a parcela da Petrobras no preço final sai de 2,81, em média, para R$ 2,96 por litro. Assim, o novo preço para a gasolina representa uma alta de R$ 0,15 por litro, segundo a Petrobras.

Já para o diesel, existe a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel. Dessa forma, a parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 4,42, em média, para R$ 5,05 por litro. A variação por litro é de R$ 0,63.

O preço nas bombas inclui ainda, além da parcela da Petrobras, custos de distribuição e revenda, além de impostos federais e estaduais.

A Petrobras afirma que o preço da gasolina passou 99 dias sem reajustes. O do diesel, 39 dias. Segundo a estatal, “a companhia tem buscado o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse imediato para os preços internos”.

Segundo a estatal, a alteração atual é necessária porque “o mercado global de energia está atualmente em situação desafiadora”. A Petrobras cita a recuperação da economia mundial a partir do 2º semestre de 2021 e a guerra na Ucrânia, que pressiona o preço de commodities como o petróleo.

Com esse movimento, a Petrobras reitera seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio, ou seja, evita o repasse das variações temporárias que podem ser revertidas no curto prazo”, diz o comunicado da empresa.

O reajuste é alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus ministros. O chefe do Executivo, os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Fábio Faria (Comunicações) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria Geral) usaram suas páginas nas mídias sociais para adotar tom ríspido contra a petroleira.

Deputados e senadores do Centrão ameaçam começar uma “guerra legislativa” contra a Petrobras depois do anúncio. Os congressistas pedem a renúncia imediata do CEO da estatal, José Mauro Ferreira Coelho, e ameaçam quebrar rapidamente o monopólio da estatal.

PARA 42%, INFLAÇÃO É CULPA DE BOLSONARO

Pesquisa PoderData realizada de 5 a 7 de junho de 2022 mostra que 4 entre 10 brasileiros consideram o presidente Jair Bolsonaro como maior responsável pela alta de preços no Brasil. Outros 18% atribuem a inflação aos governadores. Só 2% apontam a Petrobras como culpada. O cenário é praticamente o mesmo de duas semanas antes.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, empresa do grupo Poder360 Jornalismo, com recursos próprios. Os dados foram coletados por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 3.000 entrevistas em 309 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. O intervalo de confiança é de 95%. Registro no TSE: BR-01975/2022.

Para chegar a 3.000 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Poder 360