O superávit acontece quando as exportações superam as importações. Caso contrário, o resultado é deficitário.

Segundo o governo, em junho:

  • as exportações somaram US$ 32,7 bilhões; e
  • as importações, US$ 23,9 bilhões.

Os dados oficiais mostram, ainda, que as exportações, pela média diária, registraram alta de 15,6% em junho na comparação com o mesmo mês do ano passado. Já as compras do exterior avançaram 33,7% nessa comparação.

Apesar de positivo, o saldo comercial registrado em junho é 15,4% menor do alcançado no mesmo mês do ano passado, quando o superávit da balança foi de US$ 10,4 bilhões.

No primeiro semestre deste ano, segundo os dados oficiais, a balança comercial teve saldo positivo de US$ 34,2 bilhões, queda de 7,6% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando o superávit somou US$ 37 bilhões.

Segundo o Ministério da Economia, de janeiro a junho deste ano:

  • as exportações somaram US$ 164,1 bilhões; e
  • as importações totalizaram US$ 129,8 bilhões.

Pela média diária, as exportações cresceram 19,5% nos seis primeiros meses deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Já as importações tiveram alta de 29,8% nessa comparação.

O Ministério da Economia revisou para baixo a sua previsão de superávit comercial para este ano. A estimativa é de um saldo positivo de US$ 81,5 bilhões, ante US$ 111,6 bilhões esperados na previsão anterior.

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Brandão, a revisão para baixo na projeção anual da balança foi motivada pela alta das importações e dos preços dos principais produtos importados pelo Brasil, como combustíveis, adubos e fertilizantes.

Brandão disse, ainda, que a alta dos preços desses bens no mercado internacional é motivada, principalmente, pela guerra na Ucrânia, que trouxe “disrupções das cadeias internacionais de suprimentos”.

Apesar da queda na projeção, o resultado, se confirmado, ainda será recorde na série histórica que tem início em 1989. Até então, o maior saldo foi registrado em 2021 (US$ 61,4 bilhões).

A expectativa do governo é de que as exportações somem US$ 349,4 bilhões em 2022, e que as compras do exterior alcancem US$ 268 bilhões neste ano.

 

G1