O governo federal bloqueou R$ 6,7 bilhões no Orçamento deste ano para cumprir a regra do teto de gastos (norma que limita o crescimento das despesas à inflação).

O número é menor que o anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na manhã desta 6ª feira (22.jul.2022), de R$ 8 bilhões.

Com o anúncio oficial do Tesouro Nacional, as contas do governo têm R$ 12,7 bilhões bloqueados para não violar a regra fiscal. Antes, estavam bloqueados R$ 5,9 bilhões no Orçamento, por conta de avaliações feitas nos meses anteriores.

O detalhamento dos ministérios que terão os recursos cortados será divulgado daqui a uma semana.

A projeção inclui gastos em atividades culturais definidos pelo Congresso: como as leis Aldir Blanc 2 (R$ 3 bilhões) e Paulo Gustavo (R$ 3,86 bilhões). Também foi calculado o impacto da aprovação do piso salarial dos agentes comunitários de saúde (R$ 2,24 bilhões).

ROMBO NAS CONTAS

O governo revisou para baixo, em R$ 6,1 bilhões, a projeção para o rombo das contas do governo federal. Deve ser de R$ 59,4 bilhões (0,6% do Produto Interno Bruto).

A meta para o deficit primário neste ano é de R$ 170,5 bilhões.

Segundo o Tesouro Nacional, a projeção revisada já incorpora a emenda constitucional que libera R$ 41,25 bilhões para o pagamento de benefícios e a redução do PIS/Cofins/Cide sobre gasolina e etanol (R$ 16,51 bilhões).

O parâmetro usado foi uma projeção de crescimento do PIB de 2% e uma inflação de 7,2%.

Poder 360