CASO BRUNO E DOM

O juiz federal Fabiano Verli, da subseção Judiciária de Tabatinga (AM), aceitou nesta 6ª feira (22.jul.2022) a denúncia do MPF (Ministério Público Federal) contra 3 pessoas pelos assassinatos do indigenista brasileiro Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips.

Os denunciados são Amarildo da Costa Oliveira (conhecido como “Pelado”), Oseney da Costa de Oliveira (“Dos Santos”) e Jefferson da Silva Lima (“Pelado da Dinha”). Pelado e Pelado da Dinha confessaram o crime, enquanto Dos Santos teve sua participação indicada a partir de depoimentos de testemunhas. Eis a íntegra da denúncia (6 MB).

“Vejo um quadro geral de vítimas do descaso da sociedade, não só do Estado, com as aspirações legítimas de índios e não índios. Estes, igualmente vítimas. Falo genericamente, sem referência direta aos detalhes deste caso concreto, que envolve, tudo indica, crueldade flagrante”, disse o magistrado ao aceitar a denúncia. Eis a íntegra da decisão (26 KB).

“Importa que, neste caso concreto, temos duas confissões críveis nos autos. Fotos, restos mortais que só foram encontrados pelas indicações de acusados. Temos testemunhos precisos, laudos, tudo confluindo para uma probabilidade alta de autoria pelos acusados”, prosseguiu.

Na denúncia, constam prints de conversas e os resultados de laudos periciais, com a análise dos corpos e objetos encontrados. Bruno foi morto com 3 tiros, sendo um deles pelas costas, o que caracteriza que a vítima não teve possibilidade de defesa. Dom foi assassinado por estar com o indigenista.

Segundo o MPF, o crime foi motivado pelo fato de Bruno ter pedido para Dom fotografar o barco dos acusados. O órgão também levou em consideração os desentendimentos prévios entre Bruno e Amarildo por pesca ilegal em território indígena. Para o ministério, a razão é classificada como motivo fútil, o que pode agravar a pena.

O documento foi apresentado ao juízo da Subseção Judiciária Federal de Tabatinga (AM), onde o processo tramita. A denúncia já foi recebida pelo juiz, que levantou o sigilo dos autos.

ENTENDA

Bruno Pereira e Dom Phillips foram vistos pela última vez no Vale do Javari, no Estado do Amazonas, em 5 de junho. Um dos principais suspeitos no desaparecimento, Amarildo Oliveira, confessou ter ajudado a ocultar os corpos do jornalista e do indigenista, depois de terem sido assassinados.

A prisão de Amarildo já havia sido decretada pela Justiça. O suspeito disse ainda que não foi o responsável pelas execuções, que teriam sido por tiro de arma de fogo.

O irmão de Amarildo, Oseney de Oliveira, também foi preso pela PF. Além dos irmãos, a polícia identificou mais 5 suspeitos de envolvimento nas mortes de Dom e Bruno.

Segundo laudo da PF, os 2 foram mortos com tiros no tórax com munição típica de caça. A causa da morte de ambos foi um “traumatismo toracoabdominal” por disparos de armas de fogo. A região em que foram mortos é conhecida pela presença de caça e pesca ilegal.

Em 15 de junho, depois de Amarildo confessar, Alessandra Sampaio, mulher de Dom Phillips disse que se iniciava uma “jornada em busca por justiça”.

 

 

Poder 360