O partido Avante lança neste sábado (23.jul.2022), em Belo Horizonte, a candidatura do deputado federal Andre Janones, 38 anos, à Presidência da República.

Em 2018, o advogado foi o 3º deputado mais votado de Minas Gerais. À época, foi eleito para o seu 1º mandato na Câmara. Agora, se apresenta como candidato da “3ª via” e critica a polarização entre Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PL) –que lideram todas as mais recentes pesquisas de intenção de voto.

O mineiro ficou conhecido nacionalmente a partir de 2020, quando se dedicou a tirar dúvidas e defender pautas relacionadas ao Auxílio Emergencial na pandemia. Em suas redes sociais, o deputado fazia transmissões ao vivo e se comprometia com projetos relacionados ao tema. Só no Facebook, Janones acumula 8 milhões de seguidores.

Antes de chegar ao Congresso, o deputado se candidatou à prefeitura de Ituiutaba, sua cidade natal, mas não obteve sucesso. Depois, já na Câmara, o político foi alvo de processo no Conselho de Ética por suposta quebra de decoro ao dizer que iria revelar os “canalhas” e os “vagabundos” da Casa. A representação não foi para frente e acabou arquivada.

Pesquisa PoderData realizada de 17 a 19 de julho mostra Janones com 2% das intenções de voto. O candidato do Avante aparece empatado tecnicamente com Simone Tebet (3%) e com Ciro Gomes (6%). Todos, no entanto, ficam distantes dos 2 primeiros colocados: Lula, com 43%, e Bolsonaro, com 37%.

A candidatura à Presidência do deputado será realizada no Minascentro, às 9h. A convenção também oficializará candidatos a deputado federal e estadual, governador e senador.

Em entrevista ao Poder360 em fevereiro deste ano, Janones disse que vai propor um grande programa de renda básica universal como carro-chefe da sua candidatura à Presidência. Afirmou estar no processo de montagem da sua equipe de campanha e que, por isso, ainda não tinha detalhes do programa. 

Segundo ele, os recursos viriam de uma política de ajuste fiscal somada ao corte de benefícios de servidores e políticos.

É preciso manter o fiscal, cortar gastos e privilégios para colocar o dinheiro na mão dos mais pobres porque vai fomentar a economia. Alguns falam em cortar gastos, outros em colocar dinheiro na mão dos pobres. Ninguém une os 2. É o que vamos fazer“, disse ao Poder360.

Assista à entrevista concedida em 1º de fevereiro (33min10s):

 

Poder  360