A defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL) se manifestou, nesta 5ª feira (28.jul), ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre as críticas às urnas eletrônicas feitas por ele durante encontro com embaixadores, e negaram propaganda eleitoral antecipada.

“O que se tem nos autos é a exposição de críticas, ainda que duras e enfáticas, do presidente da República em relação a algumas fragilidades que, segundo pensa, existem no sistema eletrônico de votação atualmente vigente no país. De fato, a exposição de posicionamentos políticos individuais, que obviamente inclui críticas a posições diversas, configura manifestação de opinião política própria inerente ao debate de ideias, jamais indicando a suposta existência de propaganda eleitoral negativa”, afirmou a defesa.

PDT, PT  e a Rede entraram com representações no TSE acusando Bolsonaro de desinformação, propaganda eleitoral antecipada e utilização indevida de meio de comunicação durante o evento. O presidente do Tribunal deu o prazo de cinco dias para o presidente se manifestar.

“Na realidade, essa representação apresenta-se como uma tentativa de, desde já, judicializar as eleições presidenciais que se avizinham, o que deve ser prontamente rechaçado por esse TSE, sob pena de o pleito sair de seu lugar constitucional, sufrágio popular, e encaminhar-se para a Corte, o que não pode ser permitido”, completou a defesa de Bolsonaro.