Em setembro de 2019 o ex-prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), sancionou uma lei municipal que propôs a leitura da bíblia de forma cotidiana nas escolas públicas e privadas do município. Na época a legislação foi alvo de questionamentos, tanto do ponto de vista material (tendo em vista a laicidade do Estado) como pela incompetência do legislativo municipal em legislar sobre o tema.

Agora o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) reconheceu a inconstitucionalidade da legislação. A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi apresentada pelo Ministério Público estadual.

Na ação, o MP argumenta que da forma como redigida, a norma possibilita duas interpretações: leitura aconfessional da bíblia, como espécie de conhecimento cultural e histórico e, assim, inserindo-a normativamente como conteúdo curricular complementar à base nacional comum, na forma dos artigos 11, III, 26 e 27, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; leitura bíblica como parte integrante do ensino religioso em conformidade com o artigo 33, §1º, da LDB.

Acrescenta que, além do vício de natureza formal, pois cabe à União, privativamente, estabelecer as diretrizes e bases da educação, ainda incorre a Lei em ofensa aos princípios da laicidade e da liberdade religiosa.

Ao analisar o caso a relatora do processo, desembargadora Maria de Fátima Bezerra, destacou que a obrigatoriedade da leitura bíblica – que é o livro sagrado de determinados grupos religiosos – em escolas públicas e privadas do Município de Campina Grande, viola a laicidade do Estado e a liberdade religiosa, notadamente no que diz respeito ao dever de tratamento igualitário de todas as religiões pela Administração.

Veja também  Ministro manda TJPB trancar ação penal contra homem que criava um ‘golado’ na zona rural de Queimadas

“Como se pode extrair da norma, o ensino religioso deve contemplar crenças diversas, seguindo as diretrizes fixadas pelo Ministério da Educação, sendo certo que obrigar-se a leitura de escrituras sagradas de determinadas religiões, sem contemplar as demais, distancia o Estado do seu dever de assegurar o respeito à diversidade religiosa e à pluralidade confessional”, pontuou a desembargadora.

O desfecho já era esperado. A inconstitucionalidade da matéria era cristalina.

 

Jornal da Paraíba