Foto: Divulgação

Os Estados Unidos confirmaram nesta terça-feira (30), a primeira morte de varíola dos macacos no país. A vítima era um paciente adulto imunocomprometido do Condado de Harris, no Texas.

O Departamento de Serviços de Saúde do Estado do Texas (DSHS) confirmou em um comunicado que o caso está sob investigação para determinar o papel da monkeypox na morte.

“A varíola é uma doença grave, particularmente para aqueles com sistema imunológico enfraquecido”, disse John Hellerstedt, Comissário do DSHS.

O país tem 18.101 casos, segundo dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). No Texas, são 1.604 pessoas infecções.

“Continuamos a pedir às pessoas que procurem tratamento se tiverem sido expostas à varíola dos macacos ou apresentarem sintomas consistentes com a doença”.

O CDC ainda não contabilizam a morte.

Vacinação nos EUA

No país, o imuniante JYNNEOS é aprovado para a prevenção da varíola e da varíola dos macacos. É a principal vacina usada durante o surto da doença nos EUA.

Já a vacina ACAM2000 é uma alternativa à JYNNEOS. Também é aprovada para ajudar a proteger contra a doença.

O país declarou situação de emergência pública para a varíola dos macacos.

Sobre a varíola dos macacos

A varíola dos macacos é uma doença causada pela infecção com o vírus monkeypox. Os sintomas da varíola são semelhantes aos sintomas da varíola, mas mais leves.

O departamento de saúde do Texas alerta para que as pessoas com sintomas entrem em contato com seu médico se tiverem febre, calafrios, linfonodos inchados.

Além disso, as pessoas infectadas costumam apresentar erupção cutânea que pode estar localizada nos genitais (pênis, testículos, lábios e vagina) ou ânus e pode estar em outras áreas, como mãos, pés, peito, rosto ou boca.

“As pessoas diagnosticadas com varíola dos macacos devem ficar em casa e evitar contato próximo com outras pessoas até que a erupção esteja totalmente resolvida, as crostas tenham caído e uma nova camada de pele intacta tenha se formado”, disseram.

 

CNN Brasil