Gabigol., Pedro e Rodinei celebram goleada do Flamengo sobre o Vélez -  JUAN MABROMATA/AFP Leia mais em: https://placar.abril.com.br/copa-libertadores/com-show-do-flamengo-brasil-se-aproxima-de-22o-titulo-na-libertadores/

Já é possível cravar: pelo terceiro ano consecutivo, a Copa Libertadores terá uma final 100% brasileira. A arrasadora goleada por 4 a 0 do Flamengo sobre o Vélez Sarsfield, jogando na Argentina, na última quarta-feira, 31, praticamente garantiu a terceira decisão do clube rubro negro nos últimos quatro anos. Na outra semifinal, o Athletico-PR abriu vantagem sobre o Palmeiras por 1 a 0, em Curitiba. A decisão acontece em 29 de outubro, em Guayaquil.

As duas últimas edições, ambas vencidas pelo Verdão, tiveram finais entre compatriotas (Santos e Flamengo foram os vices). A hegemonia do Brasil já incomoda os vizinhos, especialmente os argentinos, que temem perder o domínio histórico na competição em breve. Com o 22º troféu encaminhado, o futebol brasileiro reduzirá para apenas três a vantagem dos hermanos. Por razões econômicas e de estrutura, a tendência é de manutenção deste cenário.

O maior campeão da história do torneio criado em 1960 é o Independiente, da Argentina, com 7 títulos (o último em 1984). O Boca Juniors, que não vence desde 2007, é o segundo com seis, seguido por Peñarol, do Uruguai, com cinco, o último em 1987. Neste ano, o Palmeiras pode se tornar o único tetracampeão do Brasil, superando São Paulo, Grêmio e Santos.

Número de títulos da Libertadores por país1 – Argentina: 25

2 – Brasil: 21

3 – Uruguai: 8

4 – Colômbia e Paraguai: 3

5 – Chile e Equador: 1

Vale lembrar que nem sempre o Brasil valorizou a competição como seus vizinhos. Depois de conquistar o bicampeonato em 1962 e 1963, o Santos de Pelé, Pepe, Coutinho e companhia ainda disputaria as duas edições seguintes e em ambas cairia na semifinal em jogos duríssimos e polêmicos contra Independiente e Peñarol, respectivamente.

Na época, a truculência dos adversários, arbitragens suspeitas, logística ruim e a falta de retorno financeiro tornavam a Libertadores pouco atrativa para os clubes brasileiros. Por muito tempo, a prioridade foi os Estaduais e o Brasileirão. O cenário só mudou de vez na década de 90 e, desde então, o Brasil foi encurtando distâncias no ranking de campeões.

Recente reportagem de VEJA tratou desta hegemonia e detalhou suas razões econômicas. Como se sabe, o Brasil também atravessa grave crise econômica, mas nada comparado aos vizinhos. O cenário se reflete na bola. O grande marco ocorreu em 2011, com o fim do chamado Clube dos 13, que deu aos clubes o direito de negociar individualmente os direitos de transmissão. Os valores inflacionaram. A consultoria Ernst Young calculou em 152% o crescimento na receita dos times brasileiros entre 2011 e 2020.

O economista Cesar Grafietti destaca outro momento de virada. “As boas gestões de Palmeiras e Flamengo, a partir de 2016, puxaram toda a concorrência para cima”, diz. “Com mais organização, o Brasil faz valer a disparidade natural para um país de população sessenta vezes maior que a do Uruguai.”

arte futebol

Outro aspecto crucial diz respeito à renovação do pé de obra. “Os clubes europeus buscam atletas cada vez mais jovens e o Brasil, por seu tamanho e tradição, consegue renovar melhor a sua produção”, explica Grafietti. Os clubes brasileiros ocupam hoje o papel de fascínio que antes pertencia a Boca Juniors e River Plate. A estrela chilena Arturo Vidal preferiu o Flamengo a Buenos Aires, por um salário de mais de 1 milhão de reais mensais.

Exemplos não faltam: são mais de oitenta estrangeiros na Série A, mais de vinte argentinos — ou seja, além de produzir mais talentos, o Brasil também consegue fisgar os de lá. O êxito de programas de sócio-torcedor e da fórmula de disputa do Brasileirão, a vinda de treinadores de fora e a melhora nas estruturas dos estádios, na esteira da Copa do Mundo de 2014, foram outros impulsionadores.

A realidade incomoda os vizinhos, mas e a Conmebol? Aparentemente não, pois foi a própria confederação que ampliou o número de vagas para o Brasil — já foi de apenas uma e agora pode chegar a nove. A lógica é simples e já se vê há anos na Liga dos Campeões da Europa: com mais gigantes no topo, maior a receita (e mais previsíveis os placares).

“O afunilamento ao redor de grandes marcas é uma tendência global”, diz o especialista em marketing esportivo Bruno Maia. “Gostemos ou não, não há alternativa dentro de uma lógica liberal. É o retrato do capitalismo, que talvez tenha demorado um pouco mais a chegar ao futebol.” O domínio se repete na Copa Sul-Americana e também no cenário de seleções, já que o Brasil passeou, invicto, nas Eliminatórias para a Copa do Mundo.

Títulos da Libertadores conduziram o Palmeiras a liderança do ranking -
Títulos da Libertadores conduziram o Palmeiras a liderança do ranking – Buda Mendes/Getty ImagesFonte: PLACAR