A 23 dias da eleição, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem mais palanques promissores nos Estados que seu principal adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). São 13 candidatos a governador apoiados pelo chefe do Executivo ou que o apoiam em 1º lugar nas pesquisas eleitorais. O petista tem 9 nomes nesta condição.

Há mais equilíbrio, porém, quando se considera que Lula tem candidatos competitivos em São Paulo (que tem 22,2% dos eleitores do país), com Fernando Haddad (PT); em Minas Gerais (10,4% do eleitorado), com Alexandre Kalil (PSD); e Rio de Janeiro (8,2%), com Marcelo Freixo (PSB). Mesmo que um desses não ganhe, todos tendem a ter grande votação e podem ajudar o projeto eleitoral do PT.

Levantamento feito pelo Poder360 considerou as pesquisas eleitorais mais recentes de grandes empresas, aquelas com metodologias conhecidas e das quais foi possível verificar a origem das informações. Todos os estudos estão registrados na Justiça Eleitoral.

Saiba o cenário por região:

  • Região Sudeste:

  • Região Nordeste:

  • Região Sul:

  • Região Centro-Oeste:

  • Região Norte:

Candidatos da chamada “3ª via” lideram em 5 Estados. São eles:

  • ACM Neto (União Brasil), na Bahia;
  • Ronaldo Caiado (União Brasil), em Goiás;
  • André Puccinelli (MDB), no Mato Grosso do Sul;
  • Romeu Zema (Novo), em Minas Gerais e
  • Eduardo Leite (PSDB), no Rio Grande do Sul.

Sobretudo nos Estados nos quais houver 2º turno para governador, os candidatos mais competitivos podem fazer a diferença para ajudar Lula ou Bolsonaro na rodada final de votação, em 30 de outubro, caso haja uma nova rodada de votação também na corrida presidencial.

Minas Gerais é um desses exemplos. Com a possível vitória de Zena no 1º turno, Lula e Bolsonaro podem ficar sem palanque no 2º maior colégio eleitoral do país. Já em São Paulo, com Haddad e Tarcísio em um eventual 2º turno, Lula e Bolsonaro teriam alavancas eleitorais entre os paulistas no maior Estado da Federação.

As pesquisadas compiladas pelo Poder360 estão registradas na Justiça Eleitoral e são de responsabilidade das empresas que fizeram os levantamentos. Eis as íntegras.

PODER 360