Neste mês de setembro, é comum falar da valorização da Vida, da prevenção ao suicídio e de diversos temas que merecem a atenção de todos. Entretanto, é mais que necessário refletir também sobre a “Ansiedade”. Aliás, o Brasil ocupa o topo do ranking mundial das pessoas que sofrem com “Transtorno de Ansiedade”, além de ser um dos líderes em casos de depressão no mundo, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Esse contexto se intensificou nos últimos anos em razão do isolamento social por causa pandemia da Covid-19 e da maior preocupação das pessoas em relação à saúde, trabalho, alimentação e com o futuro. E esse quadro “ansioso” está presente na sociedade e principalmente nas camadas mais vulneráveis. Isto é, na vida das pessoas que não têm renda suficiente para terminar o mês, em que a alimentação é escassa ou até mesmo para aqueles que trabalham horas por dia para garantir o sustento do lar.

Dia após dia, esse cenário se torna palco para incertezas e inseguranças emocionais. Dessa forma, a Legião da Boa Vontade (LBV) atua com serviços de fortalecimento de vínculos, ajudando famílias em situação de pobreza a lidar com as adversidades. É por meio da escuta ativa e de uma equipe multidisciplinar preparada que a Entidade apoia milhares de pessoas para que consigam ressignificar suas histórias e a se reerguer diante dos desafios.

Segundo a psicóloga e psicoterapeuta dra. Karen Scavacini, temos muitos sentimentos, e todos eles são importantes. Em sua palestra “É possível ter saúde mental em tempos desafiadores?” realizada durante o 24º Congresso Internacional de Educação da LBV, a profissional salienta que é possível, sim. Doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP), diretora científica da Associação Brasileira de Estudos e Prevenção do Suicídio (Abeps), membro do Advisory Board do Centro de Valorização da Vida (CVV) e membro do Suicide and Self Injury Advisory Commitee, do Facebook, Karen explica que “saúde mental é conseguirmos viver bem, ter um estado de bem-estar e reagir às coisas que nos acontecem”.

Scavacini destacou que, nesse período de pandemia da Covid-19, as pessoas passaram por um estado de estresse, de preocupação, de perdas, de lutos e que, por isso, não são as mesmas de dois anos atrás, embora, nessa retomada, haja uma expectativa de que está todo mundo se reencontrando. “Todos estamos levando cicatrizes dessa pandemia. [Em] alguns, a ferida ainda nem cicatrizou e está muito doída, principalmente para as pessoas que perderam alguém”, comenta.

Em sua explanação, o recado é claro: “Está na hora de se cuidar um pouco mais”. Inclusive, a dra. Karen enfatiza que é essencial atitudes no cuidado de si mesmo diariamente e valorizar pensamentos e emoções na tentativa de administrar melhor alguns incômodos ou situações mal resolvidas. O ideal é colocar o autocuidado como hábito e buscar formas de preservar a saúde física, psíquica e emocional.

A psicoterapeuta ressalta ainda que é preciso identificar o momento de pedir ajuda: “Quando começam a vir muitos pensamentos sobre morte, quando sente que a energia foi embora, quando tem muitos sintomas e está muito difícil de prosseguir, não tem problema em pedir ajuda. Ninguém é fraco por pedir ajuda, pelo contrário, vai ajudar a descobrir tanto o que está acontecendo quanto que caminhos você pode ter”.

Valorização da Vida e autocuidado
O tema “Transtorno de Ansiedade” é trabalhado frequentemente nos serviços promovidos pela Legião da Boa Vontade em suas unidades socioeducacionais e mais fortemente no Setembro Amarelo, nome da campanha que visa conscientizar a população a prevenção ao suicídio. Dentre as atividades realizadas pela LBV, o grupo de idosos que frequenta o serviço Vida Plena vem participando de rodas de conversa, jogos educativos, sessão de cinema, meditação guiada e dinâmicas. Para outras informações, acesse www.lbv.org.

Vania Besse – Comunicação da LBV