A polícia investiga as causas do acidente (Foto: Verinho Paparazzo/RTC)

As poucas cicatrizes externas que Dionísio de Lima carrega no corpo não dão dimensão à gravidade do que ele passou, sete meses atrás. Vítima de um acidente de trânsito, hoje ele celebra um novo começo, uma nova chance de viver.

Foram 47 dias internado no Hospital de Emergência e Trauma de João Pessoa, 20 deles em coma, após um atropelamento.

Tudo aconteceu em 2 fevereiro deste ano, quando Dionísio pilotava uma motocicleta no bairro Cristo Redentor e foi atingido por um carro em um cruzamento. Com o impacto da batida, ele foi arremessado e na queda teve várias fraturas pelo corpo.

“Tive traumatismo craniano, todos os ossos do meu rosto quebrados, fraturei um pé, um braço, o maxilar, tive quatro paradas cardíacas e, além de tudo isso, fiquei cego. Perdi a visão”, contou ele.

Dionísio e a esposa, Cláudia (Foto: Acervo pessoal)

 

Desde o dia do acidente, a vida de Dionísio mudou completamente. “Eu sempre trabalhei como motorista e nunca pensei que ficaria cego. O médico disse que o meu nervo óptico foi rompido. Ele explicou que é como um fio de energia que liga o cérebro e o olho que foi cortado. E não podia fazer nada”, relembrou.

“Eu era uma pessoa muito independente, fazia o que eu queria. Agora estou indo para o Instituto dos Cegos e lá estou aprendendo a ser um”.

Vítimas diárias

Mas nem todos que sofreram acidentes tiveram uma segunda chance como Dionísio. Dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), mostram que, por dia, pelo menos duas pessoas morreram vítimas de acidente de trânsito em 2022 na Paraíba. Conforme o levantamento, obtido pelo Portal T5, 514 pessoas perderam a vida em acidentes dessa natureza de janeiro a agosto no estado.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as principais causas dos acidentes registrados estão associadas à má conduta humana. Nas palavras de Dionísio, “muitos acidentes poderiam ser evitados se as pessoas tivessem mais prudência no trânsito”.

Novo começo

As sequelas nele, porém, não são maiores que a gratidão por estar vivo. Em conversa com o T5, Dionísio disse que nem os médicos nem alguns familiares acreditavam que ele sobreviveria. “Eu escapei por um milagre”.

“Recentemente, eu encontrei com uma das médicas que me acompanhou no hospital e ela disse: ‘Quando a gente recebe um caso como o seu, sempre acreditamos na recuperação do paciente. Mas com o senhor foi diferente, o seu caso foi um milagre’. E é isso, eu estou vivo”, contou.

Conscientização

Instituída pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em 1997, a Semana Nacional do Trânsito 2022 (SNT) termina neste domingo (25). O evento, que acontece anualmente, tem o objetivo de promover por meio da conscientização de condutores, passageiros, ciclistas e pedestres, um trânsito mais seguro.

t5