REPRODUÇÃO

A Justiça de Mato Grosso do Sul revogou, na sexta-feira (7), o pedido de prisão contra o ex-goleiro Bruno Fernandes por uma dívida de pensão alimentícia a Bruninho, filho do jogador com Eliza Samúdio, morta em 2010. A medida foi expedida pelo juiz da 6ª vara de família e sucessões do estado, Alexandre Tsuyoshi Ito.

Bruno foi condenado a mais de 20 anos de prisão por participação na morte da modelo Eliza. Ele cumpre pena em regime semiaberto domiciliar desde 2019. No entanto, o processo referente à pensão alimentícia corre na Justiça desde 2012. A prisão do ex-goleiro foi solicitada pelo Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul (TJ-MS) em agosto deste ano.

Conforme fontes acessadas pelo g1, o juiz determinou o pagamento de, aproximadamente, R$ 100 mil referente a valores atrasados de janeiro de 2020 a setembro deste ano. Em pedido de acordo na Justiça, o ex-goleiro tentou diminuir para R$ 30 mil a dívida de pensão que tem com o filho.

Ao longo de todos os anos de vida de Bruninho, que mora em Campo Grande, o garoto nunca recebeu pensão alimentícia. Para a defesa da família de Bruninho, o valor solicitado é um direito da criança que nunca foi pago. “O valor que ele pagou não representa o valor da pensão em atraso, ele pagou o montante emergencial para não ser preso, mas a dívida de 2012 a 2020 ainda está tramitando na Justiça”.

Há meses, Bruno chegou a realizar uma “vaquinha” on-line, alegando que o dinheiro arrecadado iria para o filho. Em uma publicação em uma rede social, o ex-goleiro agradeceu o valor arrecadado e a decisão da Justiça.

“Agradeço a todos que contribuíram para quitar a pensão. Mesmo sem ter o direito de trabalhar, e sem o direito de exame de DNA, quitei o valor que a Justiça estipulou. Se não fosse por vocês, essa batalha seria difícil de vencer. Deus é fiel”, disse ele.

O ex-goleiro foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado da Eliza, crime ocorrido há 12 anos.

Ordens de prisão

Em maio deste ano, Bruno chegou a ter prisão decretada pela Justiça de Mato Grosso do Sul, mas, na ocasião, a Polícia Civil em Angra dos Reis, cidade onde constava o endereço de Bruno, não havia realizado a prisão.

No início de setembro, a Justiça em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, mandou prender o ex-jogador do Flamengo, por atraso na pensão alimentícia do filho que teve com Eliza Samudio.

Crime chocou o Brasil

Eliza Samudio desapareceu em 2010, e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade. Apenas em 12 de julho de 2012, após sentença publicada pela Justiça do Rio, Bruno se tornou legalmente pai da criança.

Bruno foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado de seu filho com a vítima. O goleiro também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta, porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu.

Após mais de dez anos da morte da filha, Sônia Moura, ainda tem esperanças de achar o corpo da filha.

g1