O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) deu nesta 2ª feira (17.out.2022) um prazo de 3 dias para o deputado André Janones (Avante-MG) se manifestar sobre possíveis informações falsas que publicou sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL) em suas redes sociais.

A decisão do ministro Benedito Gonçalves considera que “provocações, deboche e também acusações graves permeiam diversas de suas postagens [de Janones] dirigidas contra o candidato à reeleição, Jair Bolsonaro, e pessoas do entorno deste”. Eis a íntegra (215 KB).

O processo foi protocolado pela campanha de Bolsonaro e pede a suspensão das redes sociais do congressista até o encerramento do 2º turno das eleições, em 30 de outubro.

O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, e o vice em sua chapa, Geraldo Alckmin (PSB), também foram citados no processo.

Segundo a campanha de Bolsonaro, os 2 candidatos são os mais beneficiados com as publicações de Janones e, por isso, devem ter seus direitos políticos cassados, assim como o deputado.

O ministro Benedito Gonçalves determinou que os investigados apresentem suas defesas em até 5 dias.

Desde que desistiu de concorrer ao Planalto, Janones começou a apoiar publicamente a candidatura de Lula e a fazer campanha contra Bolsonaro nas redes sociais.

Poder360 entrou em contato com a assessoria do deputado em busca de um posicionamento sobre a decisão da Justiça Eleitoral, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. O espaço segue aberto para manifestação.

Esta reportagem foi escrita pelo estagiário de jornalismo Gabriel Benevides sob supervisão do editor-assistente Gabriel Máximo.

Poder 360