O presidente da China, Xi Jinping, foi reeleito secretário-geral do Partido Comunista Chinês para seu terceiro mandato. Ele ocupa o cargo desde 2013 e ficará por pelo menos mais cinco anos.

Na prática, o anúncio significa que Xi Jinping também vai assumir o posto de presidente da China pela terceira vez – o título de chefe de Estado só precisa de uma confirmação técnica em uma votação legislativa no início do próximo ano.

O resultado do congresso do partido consolidou Xi Jinping, de 69 anos, como o líder mais poderoso da China desde o primeiro chefe da era comunista, Mao Tsé-Tung, que morreu em 1976.

Como era esperado, foi anunciado que Xi também vai acumular o cargo de presidente da Comissão Militar Central – o que significa que ele é o comandante encarregado do Exército de Libertação Popular da China.

O presidente da China, Xi Jinping, foi reeleito secretário-geral do Partido Comunista Chinês para seu terceiro mandato. Ele ocupa o cargo desde 2013 e ficará por pelo menos mais cinco anos.

Na prática, o anúncio significa que Xi Jinping também vai assumir o posto de presidente da China pela terceira vez – o título de chefe de Estado só precisa de uma confirmação técnica em uma votação legislativa no início do próximo ano.

O resultado do congresso do partido consolidou Xi Jinping, de 69 anos, como o líder mais poderoso da China desde o primeiro chefe da era comunista, Mao Tsé-Tung, que morreu em 1976.

Como era esperado, foi anunciado que Xi também vai acumular o cargo de presidente da Comissão Militar Central – o que significa que ele é o comandante encarregado do Exército de Libertação Popular da China.

Xi agradeceu ao partido “pela confiança que depositou em nós”, e disse que o país alcançou seu objetivo de estabelecer uma “sociedade moderadamente próspera”.

“Agora estamos dando passos confiantes em uma nova jornada para transformar a China em um país socialista moderno em todos os aspectos”, disse.

Ele afirmou que o país vai continuar a construir uma sociedade socialista moderna, “um grande, mas enorme empreendimento… A enormidade é o que torna a China infinitamente gloriosa”.

Após a conferência de imprensa, foi divulgada uma lista com os 24 membros do Politburo – o comitê central do governo chinês. Não há nenhuma mulher no novo Politburo.

Sun Chunlan, vice-premiê do Conselho de Estado com décadas de experiência, era a única mulher no último comitê, mas, aos 72 anos, ela precisou se aposentar.

Como tal, havia a expectativa de que algumas candidatas poderiam herdar seu lugar. No entanto, nenhuma foi alçada ao posto.

O resultado reflete a natureza fortemente patriarcal do Partido Comunista Chinês e da sociedade chinesa de forma mais ampla.

“Este é um arranjo muito triste e chocante”, disse o professor Yang Zhang, da American University em Washington.

O anúncio do terceiro mandato de Xi Jinping ocorreu um dia depois do ex-presidente Hu Jintao ter sido retirado da reunião do partido em circunstâncias misteriosas.

Jintao, que governou o país de 2003 a 2013, foi convidado a se retirar do palco onde acontecia a conferência aparentemente contra sua vontade. Ele estava ao lado de Xi Jinping.

Especula-se que a retirada do ex-líder pode ter acontecido por conta de sua saúde frágil. Mas também há quem diga que a saída significa uma forma de deixar clara a diferença de postura dos dois governantes.

Enquanto Hu Jintao é conhecido por ter governado de maneira mais coletiva e aberta, Xi Jinping é visto como uma figura mais centralizadora e implacável com opositores.

– Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/internacional-63364450

Fonte: BBC Brasil