Reprodução

O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) declarou ser “impossível” as Forças Armadas darem um “selo de credibilidade” para as urnas eletrônicas. O chefe do Executivo voltou a questionar o sistema eleitoral brasileiro em entrevista ao canal no YouTube do jornalista norte-americano Ben Shapiro realizada na 5ª feira (20.out.2022).

Temos eleições pela frente e o que nos traz uma certa confiança é que as Forças Armadas foram convidadas a integrar uma comissão de transparência eleitoral. E elas têm feito papel atuante e muito bom nesse sentido. Contudo, eles me dizem ser impossível dar um selo de credibilidade ainda às muitas vulnerabilidades que o sistema apresenta”, disse Bolsonaro.

O TSE convidou, em agosto de 2021, as Forças Armadas para compor a comissão eleitoral externa de acompanhamento do trâmite das eleições de 2022. Na semana passada, Bolsonaro disse que as Forças Armadas não fazem auditoria” das urnas e que essa não era uma atribuição da comissão de fiscalização.

Na entrevista a Shapiro, o chefe do Executivo disse que “há muito tempo” questiona o resultado das eleições e luta por um “modelo transparente eleitoral”. Ele repetiu, sem provas, que teria ganho as eleições de 2018 ainda no 1º turno.

Eu questiono as eleições há muito tempo. Nosso sistema eleitoral não é o mesmo em nenhum país do mundo que tenha uma economia razoável […] Esse questionamento vem num crescente com mais gente também duvidando. Nós lutamos há muito tempo por um modelo transparente eleitoral. Não tivemos força para isso”, disse.

Em 2021, Bolsonaro defendeu diversas vezes a adoção do voto impresso, mas a proposta foi rejeitada na Câmara dos Deputados. Em novembro daquele ano, o chefe do Executivo declarou que a participação das Forças Armadas no processo eleitoral tornaria “quase impossível uma fraude” nas eleições de 2022 e acabaria com a “suspeição” do processo eleitoral.

Bolsonaro também criticou a composição do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na entrevista a Ben Shapiro. Afirmou que ministros do STF que compõe a Corte Eleitoral foram indicados por “partidos políticos” no passado.

O Tribunal Superior Eleitoral aqui no Brasil, dos seus 7 integrantes, 3 são do Supremo Tribunal Federal, pessoas indicadas lá atrás por partidos políticos”, disse.

Bolsonaro também repetiu críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e casos de corrupção nos governos petistas. Disse ser preciso evitar a eleição de Lula com “armas da democracia”.

É mais difícil lutar com essas armas, mas estamos jogando dentro das 4 linhas da nossa Constituição”, disse.

1º turno

Em 2 de outubro, data do 1º turno da eleição, o TCU analisou 540 urnas eletrônicas. O procedimento faz parte da 4ª auditoria dos equipamentos e tem como objetivo verificar se os dados são idênticos aos divulgados pelo TSE. Segundo o presidente da Corte de contas, ministro Bruno Dantas, não foram encontradas irregularidades.

Por sugestão dos militares, o TSE também realizou o teste de integridade com uso da biometria de eleitores. Ao todo, foram 56 urnas destacadas em 8 Estados e no Distrito Federal para o procedimento, batizado pela Corte de “projeto-piloto”.

O Ministério da Defesa informou ao TSE que enviará o relatório completo sobre as eleições apenas na conclusão dos trabalhos, isto é, depois do 2º turno. Segundo a Defesa, o envio de informações compiladas até o 1º turno pode ser inconsistente.

Fruto de uma das sugestões feitas pela Defesa, os militares verificaram e checaram informações impressas nos boletins de 400 urnas com o conteúdo disponibilizado pelo TSE. O resultado desse trabalho, porém, não veio a público.

O presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL) declarou ser “impossível” as Forças Armadas darem um “selo de credibilidade” para as urnas eletrônicas. O chefe do Executivo voltou a questionar o sistema eleitoral brasileiro em entrevista ao canal no YouTube do jornalista norte-americano Ben Shapiro realizada na 5ª feira (20.out.2022).

Temos eleições pela frente e o que nos traz uma certa confiança é que as Forças Armadas foram convidadas a integrar uma comissão de transparência eleitoral. E elas têm feito papel atuante e muito bom nesse sentido. Contudo, eles me dizem ser impossível dar um selo de credibilidade ainda às muitas vulnerabilidades que o sistema apresenta”, disse Bolsonaro.

O TSE convidou, em agosto de 2021, as Forças Armadas para compor a comissão eleitoral externa de acompanhamento do trâmite das eleições de 2022. Na semana passada, Bolsonaro disse que as Forças Armadas não fazem auditoria” das urnas e que essa não era uma atribuição da comissão de fiscalização.

Na entrevista a Shapiro, o chefe do Executivo disse que “há muito tempo” questiona o resultado das eleições e luta por um “modelo transparente eleitoral”. Ele repetiu, sem provas, que teria ganho as eleições de 2018 ainda no 1º turno.

Eu questiono as eleições há muito tempo. Nosso sistema eleitoral não é o mesmo em nenhum país do mundo que tenha uma economia razoável […] Esse questionamento vem num crescente com mais gente também duvidando. Nós lutamos há muito tempo por um modelo transparente eleitoral. Não tivemos força para isso”, disse.

Em 2021, Bolsonaro defendeu diversas vezes a adoção do voto impresso, mas a proposta foi rejeitada na Câmara dos Deputados. Em novembro daquele ano, o chefe do Executivo declarou que a participação das Forças Armadas no processo eleitoral tornaria “quase impossível uma fraude” nas eleições de 2022 e acabaria com a “suspeição” do processo eleitoral.

Bolsonaro também criticou a composição do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) na entrevista a Ben Shapiro. Afirmou que ministros do STF que compõe a Corte Eleitoral foram indicados por “partidos políticos” no passado.

O Tribunal Superior Eleitoral aqui no Brasil, dos seus 7 integrantes, 3 são do Supremo Tribunal Federal, pessoas indicadas lá atrás por partidos políticos”, disse.

Bolsonaro também repetiu críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e casos de corrupção nos governos petistas. Disse ser preciso evitar a eleição de Lula com “armas da democracia”.

É mais difícil lutar com essas armas, mas estamos jogando dentro das 4 linhas da nossa Constituição”, disse.

1º turno

Em 2 de outubro, data do 1º turno da eleição, o TCU analisou 540 urnas eletrônicas. O procedimento faz parte da 4ª auditoria dos equipamentos e tem como objetivo verificar se os dados são idênticos aos divulgados pelo TSE. Segundo o presidente da Corte de contas, ministro Bruno Dantas, não foram encontradas irregularidades.

Por sugestão dos militares, o TSE também realizou o teste de integridade com uso da biometria de eleitores. Ao todo, foram 56 urnas destacadas em 8 Estados e no Distrito Federal para o procedimento, batizado pela Corte de “projeto-piloto”.

O Ministério da Defesa informou ao TSE que enviará o relatório completo sobre as eleições apenas na conclusão dos trabalhos, isto é, depois do 2º turno. Segundo a Defesa, o envio de informações compiladas até o 1º turno pode ser inconsistente.

Fruto de uma das sugestões feitas pela Defesa, os militares verificaram e checaram informações impressas nos boletins de 400 urnas com o conteúdo disponibilizado pelo TSE. O resultado desse trabalho, porém, não veio a público.

 

Poder 360