Reprodução

O Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), subiu 3,16% nesta semana. Fechou aos 118.155 pontos na 6ª feira (4.nov.2022). As empresas listadas tiveram R$ 132,3 bilhões em ganho no valor de mercado. Saiba quais são aqui.

A semana posterior ao resultado das eleições presidenciais foi marcada pelo otimismo no mercado financeiro. O desempenho positivo dos principais índices da Europa e Ásia também contribuiu para a valorização das ações no Brasil.

O Ibovespa chegou a superar 120 mil pontos no último pregão, de 6ª feira (4.nov), mas encerrou aos 118.155 pontos.

O valor de mercado das empresas saiu de R$ 4,40 trilhões na última semana (28.out.2022) para R$ 4,53 trilhões na 6ª feira (4.nov). Em 2022, a alta é de R$ 161,7 bilhões.

Vale foi a que mais aumentou o valor de mercado: de R$ 306,4 bilhões para R$ 328,2 bilhões. Subiu R$ 21,8 bilhões na semana. As ações da empresa avançaram 7,59% na 6ª feira (4.nov) com a expectativa de reabertura da economia chinesa.

BTG Pactual (R$ 10,9 bilhões), a Ambev (R$ 10,7 bilhões), a Weg (R$ 9,8 bilhões) e a B3 (R$ 8,3 bilhões) completaram o ranking das 5 companhias que mais valorizaram na semana.

O ganho nos ativos só não foi maior por causa da Petrobras. A estatal –que responde por 10,3% do total da carteira da B3– teve desvalorização de R$ 54,2 bilhões no período. Havia uma expectativa de que a empresa poderia ser privatizada em um 2º mandato do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Apesar da queda na semana, a Petrobras ainda é a companhia com maior valor de mercado na B3, com R$ 394,5 bilhões. No top 5 estão a Vale (R$ 328,2 bilhões), o Itaú Unibanco (R$ 273,1 bilhões), a Ambev (R$ 258,9 bilhões) e o Bradesco (R$ 190,3 bilhões).

OTIMISMO NO MERCADO

Os investidores estão com mais apetite a risco. Tendem a aplicar recursos em ativos de maior volatilidade, mas que podem recompensar com maior remuneração. Por isso, países emergentes, como o Brasil, têm registrado entrada de dinheiro estrangeiro.

O mercado discute a possibilidade de um reajuste menor dos juros dos Estados Unidos na próxima reunião do Fed (Federal Reserve, o Banco Central norte-americano). A taxa de desemprego do país foi maior que o esperado pelos investidores em outubro, o que pode fazer com que a autoridade monetária dos EUA diminua o ritmo de alta dos juros para não impactar o mercado de trabalho.

Além disso, a China pode estar disposta a flexibilizar a política de combate à covid-19, ao liberar o fluxo de pessoas e, consequentemente, melhorar o desempenho da atividade econômica.

A política do Brasil também está no radar dos investidores. O mercado financeiro aprova a indicação do futuro vice-presidente, Geraldo Alckmin (PSB), para ser coordenador da transição do governo. Ele tem melhor relação com o mercado que o PT, partido do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva.

Bolsonaro, apesar de ter demorado mais de 44 horas para reconhecer o resultado das eleições, recebeu o ex-governador de São Paulo no Palácio do Planalto, o que tranquilizou os agentes financeiros. Havia um receio de turbulência institucional com a vitória de Lula na eleição presidencial.

Preocupa os agentes, porém, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que fura o teto de gastos para viabilizar, entre outros temas, o pagamento do Auxílio Brasil (que deve ser rebatizado de Bolsa Família) de R$ 600 e o reajuste acima da inflação do salário mínimo.

O governo de transição iniciará oficialmente as atividades na 2ª feira (7.nov) no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), em Brasília.

DÓLAR AOS R$ 5

O dólar comercial fechou aos R$ 5,06 na 6ª feira (4.nov). A queda foi de 4,49% na semana. Chegou a R$ 5,02 no valor mínimo do período.

 

Poder 360