Teste para saber se gasolina é adulterada é obrigatório; consumidor deve pedir e posto atender, diz secretário do Procon João Pessoa

É direito do consumidor solicitar a verificação da qualidade e a quantidade dos combustíveis comercializados no posto onde abastece.

Sabia que, ao abastecer, caso você desconfie de irregularidades no combustível, pode exigir que o posto faça testes de qualidade e quantidade do combustível vendido?. Conhecido como ‘Teste de Vazão’ e ‘Teste de Pipeta’ a aferição da pureza do combustível pode ser solicitada pelo consumidor na hora de abastecer o veículo. A afirmação é do secretário do Procon João Pessoa, Rougger Guerra, em entrevista ao programa Arapuan Verdade, nesta sexta-feira (7).

De acordo com ele, esse teste é para saber se gasolina está adulterada ou não e é obrigatório a realização caso o consumidor peça ao funcionário do posto.

“Se ele se recusar a fazer esse teste pode chamar qualquer órgão de fiscalização ou de polícia na mesma hora, isso é motivo de autuação e multa, caso haja recusa do posto de combustível. É obrigatório fazer na hora, não só o de vasão, como o de pipeta para aferir a quantidade de etanol e gasolina se é compatível com o que determina a legislação que é de na gasolina. É o que determina a legislação em teor de 29%”, disse o secretário como acompanhou o ClickPB.

O secretário reforça ainda que é direito do consumidor solicitar a verificação da qualidade e a quantidade dos combustíveis comercializados no posto onde abastece.

A diferença no Teste da Pipeta e o de Vazão é que no primeiro o consumidor verifica se o percentual de álcool anidro incidente sobre a gasolina é de até 27% e já o Teste de Vazão, verifica a quantidade de combustível. Nesse teste, o frentista tem de despejar 20 litros, conforme registrado na bomba. Se a quantidade for  60 mililitros menor do que 20 litros, a bomba terá de ser interditada imediatamente, e o dono do posto responderá a processo administrativo.

Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), essa é das irregularidades mais recorrente e que mais prejudicam o consumidor.

Por ClickPB