Justiça manda Prefeitura de Boa Ventura abrir cofre e salas fechadas para inspeção do Tribunal de Contas

0
5
Justiça cumpre decisão em Boa Ventura. (Foto: Reprodução/MPPB)

Ao determinar a inspeção, a Justiça visa averiguar o numerário em espécie no montante de R$ 428 mil, informado pela atual gestora e disponível em consulta no Sistema Sagres.

A Justiça, – Juízo da 1ª Vara Mista de Itaporanga – determinou que o Município de Boa Ventura exiba, imediatamente, os documentos necessários à inspeção do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) e permita o acesso integral às salas que estão fechadas na Prefeitura e na Secretaria Municipal de Finanças, aos valores em espécie e ao cofre. Também foi expedido mandado a oficial de Justiça para acompanhar os auditores nesse trabalho. A determinação atende a um pedido do Ministério Público da Paraíba (MPPB).

A tutela antecipada foi pedida em ação proposta, nesta quarta-feira (12/06), pelo 3º promotor de Justiça de Itaporanga, Charles Duanne Casimiro de Oliveira, que atua na defesa do patrimônio público. Ele também acompanhou a equipe para fazer o cumprimento da decisão judicial.

Segundo ele, o TCE-PB comunicou, por meio de ofício, que desde a terça-feira (11), dois auditores de Controle Externo estão sendo impedidos de acessar a sala da Secretaria de Finanças e o cofre da Prefeitura de Boa Ventura e vêm tendo dificuldade para ter acesso aos documentos necessários para subsidiar a instrução de um processo que tramita na Corte de Contas.

O TCE informou ao MPPB que a inspeção visa averiguar o numerário em espécie no montante de R$ 428 mil, informado pela atual gestora e disponível em consulta no Sistema Sagres.

O promotor de Justiça destacou que tentou resolver o problema de forma administrativa, mas não obteve êxito, o que motivou o ajuizamento da ação. “A informação de vultoso valor em espécie na sede da Prefeitura Municipal implica em gestão temerária e a produção antecipada de provas é meio idôneo para acesso aos locais e obtenção de documentos, a fim de identificar possíveis fraudes e desvio de recursos públicos, caso existentes. Aliás, o passo inaugural da investigação é analisar os documentos que vem sendo negado acesso aos auditores do TCE pela Prefeitura de Boa Ventura, bem como identificar possível prática de atos de improbidade administrativa”, justificou.

A decisão é do juiz Roberto Cesar Lemos de Sá Cruz. Ele afirmou que a produção antecipada de provas é admitida, dentre outras hipóteses, quando há fundado receio de que venha a se tornar impossível ou muito difícil a verificação de certos fatos na pendência da ação.

“A demora na obtenção da documentação e acessos ao recinto da edilidade pode comprometer o resultado da inspeção realizada pela auditoria do TCE, em virtude do risco de alterações significativas da situação fática, obstando assim que sejam identificadas eventuais irregularidades e que o patrimônio público (do povo) seja fiscalizado”, argumentou.

Por ClickPB

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui