A terceira dose da vacina contra a Covid-19 deve ser aplicada, inicialmente, em idosos e profissionais da saúde, afirmou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta quarta-feira (18). O ministro não informou, no entanto, quando a dose extra começará a ser administrada no Brasil.

O ministro afirmou que a pasta já encomendou um estudo para investigar a terceira dose em pessoas vacinadas com a CoronaVac. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) também autorizou pesquisas sobre a dose de reforço da Pfizer e AstraZeneca.

“Sabemos que os idosos têm um sistema imunológico comprometido e por isso eles são mais vulneráveis. Pessoas que tomaram duas doses da vacina podem adoecer com a Covid, inclusive ter formas graves da doença. Mas se compararmos os que vacinaram com duas doses e aqueles que não vacinaram, o benefício da vacina é inconteste”, disse Queiroga.