Vidente e curandeira búlgara, Baba Vanga morreu em 1996, mas suas previsões ainda perpetuam o mundo 25 anos depois. Ela ficou conhecida, sobretudo, no Leste Europeu ao acertar episódios como a queda da União Soviética, o desastre de Chernobyl e a morte da princesa Diana. Agora, as anotações deixadas por Vangelia Gushterova voltaram à tona com a indicação de uma nova pandemia em 2022.

Também conhecida como Nostradamus dos Balcãs, ela teve uma infância pobre. Baba Vanga já brincava de vendar os olhos e adivinhar a localização dos objetos. Mais tarde, na década de 1960, quando já havia alcançado fama entre cidadãos comuns, artistas e políticos.

No auge dos seus atendimentos, ela recebia 50 pessoas por dia. Tamanho alcance a levou ainda a ser a primeira vidente do mundo contratada como funcionária pública pelo governo. O dinheiro das suas consultas iria para a receita do Estado, e ela recebia um salário fixo mensal. Baba Vanga morreu aos 85 anos vítima de câncer de mama no dia 11 de agosto de 1996. No entanto, deixou premonições até o ano de 5079.

Apesar de o mundo enfrentar a pandemia causada pelo novo coronavírus, outro vírus letal será descoberto por uma equipe de pesquisadores na Sibéria. De acordo com a médium, até então, o micro-organismo se encontra inerte no solo congelado do país.

Outra previsão afirma que muitas cidades em todo o mundo serão atingidas pela escassez de água potável. Além disso, haverá um considerável aumento da poluição nos rios. E um Tsunami devastará a Ásia e a Austrália.

Das previsão mais excêntricas de Baba Vanga para o próximo ano tem a ver com o asteroide interestelar conhecido pelo nome de Oumuamua, observado pela primeira vez em 2017. Na época, o astrônomo Avi Loeb, da Universidade de Harvard, nos EUA, chegou a dizer que o objeto espacial seria uma espécie de nave alienígena. Para a médium, o asteroide seria uma “sonda” alienígena que antecipou o ataque previsto para 2022.

A “Nostradamus dos Bálcãs” também previu que as pessoas passarão mais tempo grudadas às telas dos dispositivos móveis e dos computadores, confundindo realidade e mundo virtual. Apesar de ter acertado algumas previsões, como o Tsunami de 2004 e a chamada “primavera árabe” em 2010, Baba Vanga errou várias de suas supostas visões do futuro.