Em coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (22), foi informado que Paulinha Abelha, vocalista da ‘Calcinha Preta’, está em estado gravíssimo. De acordo com médicos que acompanham estado de saúde da cantora, ela apresenta lesão grave no cérebro.

Investigações para identificar a origem das insuficiências nos órgãos afetados de Paulinha Abelha, estão sendo realizadas. A cantora deu entrada em um hospital e foi internada com uma insuficiência renal no último dia 11 de fevereiro. Após alguns dias, fígado e cérebro foram atingidos, deixando a cantora em coma.

Como ainda não há um diagnóstico claro que justifique o início das lesões nos órgãos da artista, os médicos trabalham em diversas frentes de tratamento.

Um “diagnóstico sindrômico” implica que deve ser tratadas diversas possibilidades levantadas pelos especialistas, como inflamações e questões autoimunes.

“Além da toxicidade, intoxicação medicamentosa, existe um cenário inflamatório que é claro, nítido, que a gente vem tratando também do ponto de vista anti-inflamatório. Existe também uma investigação se finalizando do ponto de vista da autoimunidade”, explicou o médico.

A equipe médica realiza exames laboratoriais de forma complementar para identificar se existe uma substância que esteja intoxicando o corpo de Paulinha Abelha. Além dos exames de sangue, foram encaminhadas amostras dos órgãos atingidos para biópsia a fim de identificar as causas das lesões.

Qual o atual estado de saúde de Paulinha Abelha ?
Os médicos afirmam que a situação da cantora é gravíssima e que ela está no nível mais baixo de uma escala que mede o estado de um coma.

“O tratamento que vem sendo dado é no sentido de diminuir, regredir ou compensar as diversas disfunções que ela tem, para ver se existe a possibilidade de fazer a compensação do dano neurológico. Hoje ela está em coma profundo, na escala de coma de Glasgow, ela está em 3, apresentando um rebaixamento severo do sensório”, complementou o médico.

Há chance de recuperação sem sequelas?
Sobre uma possível recuperação e sequelas que devem ficar no corpo de Paulinha Abelha, o médico prefere não se pronunciar o assunto, apesar de afirmar que o estado de coma é reversível.

“Hoje, o nosso interesse é mantê-la viva. E não está sendo uma missão fácil. Eu não me sinto confortável em falar sobre possibilidade de sequelas em um paciente em que a princípio nosso esforço é mantê-la viva. Sequelas vem depois, se sobreviver”, finalizou o especialista durante a coletiva de imprensa.