O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, nesta quinta-feira (10/3), lamentar uma possível paralisação dos caminhoneiros devido à mega-alta de 24,9% no preço do diesel anunciado pela Petrobras.

“O preço tá caro. Tem muito caminhoneiro aí que vai parar. Eu sei disso, lamento isso daí. Vai parar porque não suporta mais essa carga tributária. E é uma questão mundial. Digo a vocês que o diesel aqui agora, mesmo com tudo isso, está mais barato que nos Estados Unidos”, disse Bolsonaro, em sua tradicional live de quinta-feira.

Líder dos caminhoneiros, Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, anunciou nesta quinta-feira (10/3) paralisações do setor em pelo menos quatro estados: São Paulo, Paraná, Mato Grosso e Pará, começando nesta quinta-feira (10/3) e nesta sexta-feira (11/3).

“A promessa de governo do presidente Jair Bolsonaro até agora não se cumpriu. E isso não é uma pauta só dos caminhoneiros. Estamos juntos com o povo para fazer o melhor para o nosso país. O Brasil vai parar automaticamente, porque não se tem mais condições de rodar”, afirmou, por sua vez, o líder da greve dos caminhoneiros que parou o Brasil em 2018, Wallace Landim, o Chorão, ao Metrópoles.

Durante a live, Bolsonaro também destacou que o Senado hoje “fez a sua parte” ao aprovar projeto que “vai tirar o impacto de R$ 0,60 por litro” no preço dos combustíveis. “É muito dinheiro”, disse o mandatário da República.

E aproveitou para culpar o PT. “O grande problema do Brasil: entre as 10 maiores economias do mundo, a única que tem que importar derivado de petróleo é o Brasil. Ou seja, as duas refinarias que o PT ia fazer no Nordeste, mais uma aqui no Sudeste, não fez. Uma roubalheira terrível. Mais de 100 bilhões jogados fora. Então, nós dependemos da importação de diesel, de gasolina, dentre outras coisas. Se lá atrás o PT tivesse feito o seu trabalho, não tivesse endividado a Petrobras, não estaríamos em uma situação tão complicada.”

METRÓPOLES