Em entrevista em João Pessoa, Juliano disse que Ciro erra ao estar longe da esquerda, citou que Moro é infiltrado da CIA treinado para destruir o Brasil e chamou Paulo Guedes de psicopata.

O presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, avaliou Ciro Gomes, Sérgio Moro e o governo Bolsonaro em entrevista ao programa Arapuan Verdade, em João Pessoa, nesta quinta-feira (24). Juliano disse que Ciro erra ao estar longe de Lula e da esquerda, citou que Moro é um infiltrado da CIA treinado para destruir o Brasil e chamou Paulo Guedes de psicopata.

Sérgio Moro

Juliano disse que Sérgio Moro “é um infiltrado da CIA. Esse não vale nada. Sérgio Moro foi treinado nos Estados Unidos para destruir o parque industrial do setor de infraestrutura no Brasil. É um criminoso que vai pagar por seus crimes. [Deltan] Dallagnol já está tendo que indenizar o Lula agora por ter feito aquela palhaçada do ‘Power Point’, daqui a pouquinho o Sérgio Moro também vai respnder pelos seus crimes porque foi parcial, usou a Justiça que é uma instituição fundamental para a democracia para fazer politicagem.”

Ciro Gomes

Sobre Ciro Gomes, Medeiros disse que é um “amigo pessoal, mas acho que o Ciro Gomes erra ao se afastar da esquerda, ao se afastar de uma hipótese de uma frente das esquerdas. Eu acho que o Ciro tinha que estar numa frente com toda a esquerda ao invés de ficar correndo atrás de ACM Neto (União Brasil), de Alexandre Kalil, de Eduardo Paes. O Ciro tinha que estar junto conosco, com o PSOL, com o Lula, com o PCdoB, com o PSB. Essa é a esquerda brasileira. O Ciro tem que estar conosco porque ele é um cara das boas ideias.”

Ministro da Educação

Juliano também pontuou sobre o que classifica como “hipocrisia da turma do ‘escola sem partido'” após o escândalo envolvendo o ministro da Educação, Milton Ribeiro, flagrado em áudio dizendo que priorizava repasse de verbas a municípios indicados por dois pastores amigos, a pedido do presidente Jair Bolsonaro.

“Primeiro o escândalo revela a tremenda hipocrisia dessa turma da ‘escola sem partido’. Fizeram toda uma cruzada dizendo que a educação pública estava na mão de um monte de esquerdista, que estava ideologizada. E colocaram um pastor, que não é problema ser pastor, mas ele é um negociante”, declarou presidente nacional do PSOL ao Arapuan Verdade, em João Pessoa, conforme apurou o ClickPB.

Corrupção no governo Bolsonaro

Ainda segundo Juliano Medeiros, “aliás, cada vez que o Bolsonaro fala numa entrevista que acabou com a corrupção no Brasil dá vontade de rir. Interviu na Polícia Federal para proteger os seus filhos, acobertou todo tipo de crime cometido pelo seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, que é investigado pela Polícia Federal por ter acobertado madeireiros na Amazônia, e, agora, ‘passa pano’ para um escândalo que envolve não a liberação de verbas, mas o acesso a convênios, à políticas do Ministério da Educação.”

Para o líder nacional do PSOL, “esse governo não entregou nada do que prometeu. Em 2018 prometeu acabar com a corrupção e não acabou, prometeu acabar com o desemprego e piorou, prometeu acabar com a inflação, que ia mudar a política econômica, botou um psicopata no Ministério da Fazenda, que é esse Paulo Guedes. A vida de todo mundo piorou nesse país e não é culpa só da pandemia porque em muitos lugares do planeta os países já estão se recuperando.”

CLICK PB