A Paraíba apresentou em fevereiro de 2022 mais um déficit de empregos formais, conforme o balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho, divulgado nesta terça-feira (29). Com mais desligamentos que admissões, a Paraíba ficou com um déficit de 1.451 empregos formais em fevereiro deste anos.

Os dados do Caged mostram que houve 15.055 admissões em fevereiro de 2022 e 16.506 desligamentos. A variação negativa de 0,34%. O número coloca a Paraíba com o menor saldo do país.

O setor da construção e o de serviços foram os únicos que tiveram mais admissões em fevereiro do que demissões. A queda no número de empregos formais na Paraíba foi impulsionada pelo setor da agropecuária, que teve uma redução de 10,07% no número de postos, seguido do setor da indústria (-0,67)%) e do Comércio (-0,09%).

Em fevereiro de 2022, foram admitidos 9.491 homens e 5.564 mulheres na Paraíba, enquanto houve demissões de 11.937 homens e de 4.569 mulheres. Em comparação a janeiro de 2022, fevereiro teve 1.446 homens a menos trabalhando, enquanto houve 995 mulheres contratadas a mais.

João Pessoa manteve praticamente o mesmo número de admitidos e demitidos no mês. Foram 6.912 admissões e 6.047 demissões no mês. Já Campina Grande terminou o mês com um pequeno saldo positivo de 0,43% entre os admitidos (3.209) e desligados (2.769).

O Brasil gerou 328,5 mil empregos com carteira assinada em fevereiro deste ano. Ao todo, o país registrou em janeiro 2.013.143 contratações e 1.684.636 demissões. O resultado representa a maior geração mensal de empregos formais desde agosto de 2021, quando as contratações superaram as demissões em 383 mil vagas.

 

  • JORNAL DA PARAÍBA