O eleitorado brasileiro em 2022 é 6,21% maior que o registrado em 2018. A informação é do Tribunal Superior Eleitoral, que divulgou estatísticas sobre os 156 milhões de cidadãos aptos a votar nas eleições deste ano, no dia 2 de outubro. Um dos maiores aumentos registrados foi no número de jovens entre 16 e 17 anos, cujo voto é facultativo. Nas eleições deste ano, 2,1 milhões de jovens nessa faixa etária poderão votar. Em 2018, era 1,4 milhão. O crescimento equivale a 51,13% nessa faixa etária do eleitorado. Segundo o TSE, quase a totalidade dos eleitores jovens que vão votar em 2022 fez cadastro na Justiça Eleitoral nos quatro primeiros meses deste ano, graças às campanhas promovidas para conscientizar os jovens sobre a importância do voto. O ministro Edson Fachin afirmou que os dados mostram o engajamento do brasileiro.

Demonstram a pujança cívica da cidadania no Brasil. É um serviço que a Justiça Eleitoral presta em prol da democracia, em prol de um sistema seguro, transparente e auditável.

O eleitorado acima de 70 anos também cresceu. O salto foi de 23,82%, de 12 milhões em 2018 para 14,8 milhões em 2022. Esse número representa 9,52% de todo o eleitorado apto a votar em 2 de outubro. O voto nessa faixa etária também é facultativo, assim como acontece com os jovens e os analfabetos. Consultor Legislativo do Senado, Arlindo Fernandes elogiou o cadastro eleitoral do país e disse que é fundamental para um processo limpo, honesto e justo. Ele afirmou que o aumento do eleitorado na faixa entre 16 e 17 anos tem que ser comemorado, mas fez uma ponderação.

Por outro lado, é bom dizer que a população nessa faixa etária é mais que o dobro disso, o que quer dizer que menos de metade das pessoas que poderiam se registrar com o título de eleitor fizeram isso. Há um campo aí para que pessoas interessadas na ampliação desse universo do eleitorado brasileiro defendam que esse eleitor se cadastre.

A maior parte do eleitorado é formada por mulheres. São 82,3 milhões de eleitoras, que representam 52,65% do total. Os homens são 74 milhões, 47,33%. Arlindo Fernandes explica essa diferença de oito milhões de pessoas aptas a votar.

São as campanhas para motivar a parcela feminina da sociedade brasileira a participar do processo eleitoral seja como eleitora, seja como candidata. Uma outra parte dessa diferença, se você observar o perfil do eleitorado brasileiro você vai ver que essa diferença entre eleitores e eleitoras vai crescendo à medida em que aumentam as faixas etárias.

A senadora licenciada Rose de Freitas, do MDB do Espírito Santo, lembra que o voto feminino no Brasil completa 90 anos em 2022.

E ainda convivemos com muita discriminação, mas o voto é um caminho, não é? É um instrumento que a gente tem na mão esse voto. Há mulher que diz assim: “Não, meu marido votou, já está bom”. Não está bom! Nós temos que votar todas! A cada dia, mais votos! E temos que entender que esses votos têm que ser, na sua maioria, para as mulheres.

As eleições de 2022 são para os cargos de presidente da República, governador, senador, deputado federal e deputado estadual ou distrital. Mais de 118 milhões de eleitores — três a cada quatro brasileiros — já cadastraram a biometria e serão identificados por meio das impressões digitais.

 

Da Rádio Senado, Pedro Pincer