Os canais de notícias CNN Brasil SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal de notícias Terra e a rádio Nova Brasil FM irão transmitir um debate presidencial em conjunto no dia 24 de setembro. O debate se dará nos estúdios do SBT.

O formato que reúne diversas emissoras é conhecido no jargão jornalístico como “pool” e já foi usado no Brasil durante a campanha presidencial de 1989.

O jornal Folha de S. Paulo e os canais de notícias Band Cultura realizarão um debate no mesmo molde no dia 28 de agosto. O consórcio de mídia –que inclui os portais de notícias g1 UOL e os jornais Folha de S. PauloO Estado de S.Paulo, O Globo e Valor Econômico– transmitirá debate em 14 de setembro.

Líder nas pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pede a realização de 3 debates, com a união das emissoras e demais veículos interessados.

Em junho, a coligação do petista –formada por PT, PSB, PC do B, Psol, Rede, PV e Solidariedade– enviou um ofício à Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) e à ANJ (Associação Nacional de Jornais) defendendo o modelo. Eis a íntegra do texto (80 KB).

Alguns canais cancelaram ou suspenderam debates presidenciais em razão das ausências de Lula e do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), que lideram as pesquisas de intenção de voto.

Bolsonaro decidiu não comparecer a nenhum debate da 1ª rodada eleitoral, mas cogita participar de alguns em um possível 2º turno. Já Lula avalia que, sem o presidente, seria automaticamente atacado pelos demais candidatos.

Na 3ª feira (26.jul), a CNN Brasil anunciou a suspensão de seu debate, que estava marcado para 6 de agosto. A emissora disse que sem a presença dos 2 candidatos à frente das pesquisas, o evento “não refletiria o atual cenário da corrida presidencial”. 

Decisão parecida foi tomada pela Jovem Pan. Sem o presidente e o petista no debate marcado para 9 de agosto, a emissora ficaria em um “voo cego”, afirmou Carlos Aros, diretor de Conteúdo da Jovem Pan News, ao site NaTelinha.

PODER 360