NELSON ALMEIDA / AFP - EVARISTO SA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, chegou aos estúdios da Band dizendo esperar ser o principal alvo do debate desta noite e que não aperta a mão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). “Eu fico do lado do Lula, não tem problema não, eu vou fazer um pedido, se houve a troca, volte ao normal. [Mas] Eu não vou apertar a mão de ladrão.”

Em relação à sua estratégia, disse que há um presidente e um ex-presidente no programa, referência a Lula, e vai sugerir a comparação dos governos.

Sobre qual adversário gostaria de fazer pergunta, Bolsonaro declarou que vai decidir na hora. O candidato à reeleição chegou bastante falante e respondeu a várias perguntas da imprensa.

Comentou sobre a entrevista ao Jornal Nacional. “Fui cumprir tabela na Globo. Parece que, se não foi um a zero pra mim, foi meio a zero.” “Lula não vai ser entrevistado pelo cabo eleitoral dele, o Bonner, hoje”, disse o presidente.

“Tenho a verdade, não tenho o que esconder. Jogo aberto”, disse. “Vão me acusar de tudo que você possa imaginar. Não é se defender, a gente vai mostrar a realidade.”

Bolsonaro disse não ter se preparado para o debate. Segundo ele, a última sessão de treinamento, o chamado “media training”, que participou foi em 2018, ano de sua eleição. “Tenho a verdade, não tenho o que esconder. Jogo aberto”, disse. “Vão me acusar de tudo que você possa imaginar. Não é se defender, a gente vai mostrar a realidade.”

Sobre a tática que deve utilizar no debate, disse que irá mostrar “o que foi a corrupção do governo Lula, as consequências para todos nós”. “A gente não quer a volta disso. Não quer a volta à cena do crime. E mostrar que política se faz da forma que eu estou fazendo.”

Mudança de posição

Após um pedido das equipes de segurança do presidente Jair Bolsonaro (PL) e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os dois candidatos à Presidência foram mudados de posição no estúdio pela organização do debate. Lula e Bolsonaro haviam sido posicionados lado a lado após um sorteio dos organizadores com a assessoria das campanha, mas a segurança dos dois decidiu pedir para mudar faltando pouco mais de uma hora e para o início do debate.

Com a decisão, Lula foi colocado ao lado de Simone Tebet (MDB), enquanto Ciro Gomes (PDT) acabou posicionado ao lado de Bolsonaro. A ordem dos candidatos no estúdio ficou assim, da esquerda para a direita: Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Felipe D’Avila (Novo), Soraya Thronicke (União Brasil), Lula e Tebet.

Ciro não gostou da mudança e reclamou no Twitter. “A emissora aceitou a pressão das candidaturas de Lula e Bolsonaro e alterou, de forma unilateral, o posicionamento dos candidatos no palco”, escreveu.

UOL