Imagem: Cesar Greco / Flickr Palmeiras

O Palmeiras nem entrou em campo na rodada, mas já é o campeão brasileiro de 2022. Com os 74 pontos atingidos na semana passada, quando o Alviverde bateu o Athletico-PR por 3 a 1, em Curitiba, o clube alviverde já não pode mais ser alcançado, e chega à conquista há três rodadas do fim do torneio.

Duas vezes campeão no formato de pontos corridos, dentre as agora 11 conquistas de Brasileirão da sua Sala de Troféus, o time chega ao título mais cedo do que nas temporadas de 2016 e 2018, quando se sagrou campeão apenas nos penúltimos jogos: contra a Chapecoense, em casa, em 2016; e contra o Vasco, em São Januário, em 2018.

A consagração antecipada do Palmeiras veio com o derrota do Internacional para o América-MG, em Belo Horizonte, em jogo iniciado às 16h: 1 a 0. No entorno do Allianz Parque, a explosão começou justamente com o gol de Alexandre Egea, aos 31 minuto do 2º tempo no Estádio Independência.

O quadrilátero formado pelas ruas Palestra Italia, Caraibas, Venâncio Ayres e Diana já estava cheio desde as 14h. E muitos acompanhavam o jogo com atenção. Contudo, uma parte (menor) da torcida também desejava a vitória colorada, para que o Verdão pudesse ser campeão em campo, contra o Fortaleza, cinco horas mais tarde.

Por isso, quando Alan Patrick, ex-Palmeiras, perdeu pênalti para o Inter, aos 19 minutos do 1º tempo, o que se viu foi uma divisão. Uma parte dos torcedores comemorou, por ver o Palmeiras mais perto da conquista. Mas uma outra lamentou, ainda que discretamente, pensando em poder extravasar dentro do estádio e com o time em campo.

O gol do América, no entanto, uniu todas as correntes de pensamento: nada era maior para a torcida que a conquista do Palmeiras.

Os números da campanha do time de Abel Ferreira mostram um Palmeiras chegando à conquista de forma incontestável. Mais pontos, mais vitórias (21), mais gols feitos (59), menos gols sofridos (22), menos derrotas (2). Não há um senão na trajetória do Palmeiras.

Do ponto de vista individual, o clube da zona oeste de São Paulo tem também seus destaques, como o goleiro Weverton, a dupla de zaga Gómez e Murilo e o sempre importante Dudu. Mas ninguém brilhou tanto quanto Gustavo Scarpa.

Em seu ano de despedida, o camisa 14 é favorito para ganhar tanto a Bola de Ouro quanto o prêmio da CBF de melhor jogador do campeonato. Pelo algoritmo do portal Sofascore, de apostas e estatísticas, ele também é o melhor do campeonato. Não é para menos: foram dez assistências e 17 participações diretas em gol.

Abel Ferreira se ratifica na História

Não que um técnico duas vezes campeão da Libertadores precise de algo mais para ser considerado histórico. Mas, ao ganhar o Brasileirão, o treinador se aproxima do topo de um ranking de 108 anos com menos de dois anos de trabalho presencial no clube.

Abel falou pela primeira vez como técnico do Palmeiras em 2 de novembro, há exatos dois anos do dia em que conquista seu 6º título de campeão com o Palestra.

Exceto pelo Mundial de Clubes e pela Supercopa do Brasil, Abel conquistou pelo Alviverde, ao menos uma vez, todos os campeonatos lineares que disputou como treinador do Verdão. A chance de levantar a Supercopa virá entre janeiro

Copa Libertadores (2020 e 2021), Campeonato Brasileiro (2022), Copa do Brasil (2020), Recopa Sul-Americana (2022) e Paulista (2022).

Diretoria também tem grandes números

O diretor Anderson Barros, por sua vez, chega ao seu sétimo troféu, já que esteve com Abel em todas as conquistas, mas também já estava no clube em agosto de 2020, quando o Palmeiras conquistou o Paulistão daquele ano.

Com esse número, ele se torna o diretor profissional com mais conquistas de primeira linha pelo clube, ultrapassando José Carlos Brunoro, gerente de futebol da época da co-gestão Palmeiras-Parmalat, que conquistou seis troféus.

Leila Pereira também vê seu nome crescer na história do clube. Com 11 meses de mandato, ela chega aos seu terceiro troféu com o time profissional —sem mencionar a tão desejada Copa São Paulo.

UOL