No plano de recuperação judicial apresentando — e aceito — à Justiça nesta segunda-feira, o Cruzeiro listou uma série de credores. Há entre eles jogadores, treinadores, funcionários em geral, mas também prestadores de serviços e instituições financeiras.

O clube pediu à Justiça para reorganizar o pagamento de pouco mais de R$ 536 milhões em dívidas. O maior valor a ser pago, R$ 97,7 milhões, é ao Banco BMG, de Ricardo Guimarães.

Guimarães também é conhecido por ser um dos quatro mecenas do Atlético-MG (ao lado de Rubens e Rafael Menin e Renato Salvador) e também já presidiu o clube.

A título de comparação, o valor devido ao banco é quase o dobro dos R$ 50 milhões pagos — outros R$ 350 milhões serão aplicados em incrementos de receitas — por Ronaldo Fenômeno por 90% do futebol do clube.

iG