Entenda a lesão de Payet e veja quando ele pode voltar a jogar pelo Vasco

Um dos destaques do Vasco neste começo de temporada, o meia Payet sofreu uma lesão no joelho direito e vai desfalcar o time no começo do Brasileiro

O Vasco tem mais um problema para o começo do Campeonato Brasileiro. E mais um desfalque importante no meio de campo. Na noite da última quarta-feira (3), o clube confirmou que Dimitri Payet sofreu uma lesão no joelho direito que vai afastá-lo dos gramados nas primeiras rodadas do Brasileirão. Assim, ele se junta a Paulinho e Jair, dois potenciais titulares do meio de campo do time que também sofreram lesões neste começo de temporada.

Payet sofreu uma entorse no ligamento colateral medial do joelho direito durante o treino da última terça-feira, no CT Moacyr Barbosa. De acordo com o Vasco, o francês já iniciou o tratamento no mesmo dia. O clube não divulgou prazo para o retorno aos gramados, mas a previsão pelo tipo de lesão é de até quatro semanas de recuperação. No entanto, internamente, o clube acredita que pode encurtar este prazo.

Entenda a lesão de Payet

Para tentar entender a gravidade da lesão de Payet, a Trivela conversou com o fisioterapeuta desportivo Matthews Taveira (@lmatthewsfisio), especializado em prevenção e tratamento de lesões no esporte. De acordo com o especialista, pelo potencial de cicatrização, as lesões de ligamento colateral medial geralmente não necessitam de cirurgia, como é o caso do meia do Vasco.

– A lesão do LCM ocorre por traumas que forçam o joelho para dentro (em valgo). Este mecanismo pode ser direto, como uma colisão na lateral do joelho, ou indireto, como uma torção do joelho com o pé travado no chão. A lesão do LCM provoca dor na região interna (medial) do joelho, após um trauma. A dor em geral é forte, e pode haver dificuldade para andar logo após a lesão. A dor é pior com movimentos em valgo (para dentro) do joelho. Pode haver sensação de instabilidade, insegurança ou falseios do joelho – disse Matthews Taveira à Trivela, antes de completar.

— O ligamento colateral medial tem grande potencial de cicatrização, por isso, na maioria das vezes, pode ser tratado sem cirurgia – disse Taveira.

As lesões de ligamento colateral medial são classificadas em três graus de gravidade.

  • Grau 1: distensão do ligamento. Clinicamente, há dor, mas sem instabilidade;
  • Grau 2: ruptura de parte das fibras do ligamento. Pode haver instabilidade perceptível no exame físico;
  • Grau 3: ruptura completa, de todas as fibras do ligamento. Há instabilidade grande no exame físico;

O Vasco não divulgou o grau da lesão de Payet. Assim, não é possível saber exatamente como será o tratamento da lesão. No entanto, o francês não passará por cirurgia. Mas Taveira também falou sobre como são feitos os tratamentos de lesões de LCM.

— Alguns fatores devem ser avaliados para definição do tratamento. A lesão é isolada, ou há mais ligamentos lesados? A lesão é aguda (recente) ou crônica (antiga)? Qual o grau da lesão? Lesões isoladas, agudas e parciais são preferencialmente tratadas sem cirurgia. Por outro lado, lesões com associação de outros ligamentos e lesões crônicas instáveis podem necessitar de cirurgia. No caso de cirurgia, é possível o reparo ou a reconstrução do ligamento com enxerto – finalizou o especialista.

Quando Payet vai poder atuar pelo Vasco?

Caso o tratamento e a recuperação de Payet levem, de fato, quatro semanas, o meia vai perder as quatro primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. Assim, ele poderia voltar a jogar na quinta rodada, contra o Athletico-PR, na Ligga Arena, no dia 5 de maio. O Vasco, que está em uma intertemporada para o Brasileirão, não contaria com o francês nos seguintes jogos.

  • Vasco x Grêmio, domingo (14), às 16h (horário de Brasília), em São Januário;
  • Red Bull Bragantino x Vasco, quarta-feira (17), às 19h (horário de Brasília), no Nabi Abi Chedid;
  • Fluminense x Vasco, sábado (20), às 16h (horário de Brasília), no Maracanã;
  • Vasco x Criciúma, sábado (27), às 16h (horário de Brasília), em São Januário;

Por Trivela